sexta-feira, 27 de novembro, 2015

Alta nos preços do arroz, feijão, bife e batata força varejo a ampliar produtos

O tradicional prato do brasileiro - arroz, feijão, bife e batata - está mais caro. Com a inflação pressionando os custos e o temor com a economia, os consumidores mudam o hábito de consumo, e os supermercadistas correm para se adaptar à nova realidade.
Diante do cenário de altas nos preços, especialistas e varejistas ouvidos pelo DCI tentam traçar o caminho das pedras para reverter a situação e garantir a venda. Entre as opções, estudar as categorias mais relevantes para os clientes, apostar em promoções e ofertar maior variedade de marcas e preços aparecem como arma para vender.
A apreensão com o preço dos itens mais tradicionais das refeições não é sem motivo: de acordo com uma pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (Apas) o preço do arroz subiu 4,9% em 12 meses e o feijão avançou 39,2% no mesmo período.
Outro produto que teve forte elevação foi a carne, a peça de alcatra, por exemplo, teve alta de 15,7% em 12 meses e o coxão-mole 11,31% desde novembro passado.
A batata, acompanhamento tradicional dos pratos, foi um dos itens que mais subiram nos últimos 12 meses, com aumento de 91,62%.
Segundo o gerente de economia e pesquisa da Apas, Rodrigo Mariano, com o aumento da inflação, os consumidores adotam comportamentos que devem ser visto pelos supermercados.
A primeira mudança é pesquisar mais e consultar outros formatos de vendas, como super, hiper e atacarejos. Depois, o consumidor tende a reduzir a ida ao supermercado e também leva a lista para evitar comprar mais do que precisa. Ele também busca mudar as marcas, em busca das com preços menores.
Outra opção, de acordo com o executivo da Apas, é transferir o consumo para uma marca própria. "Por último, o consumidor deixa de consumir, mas ele sempre tenta não abrir mão do produto", diz Mariano.
Segundo o gerente da Associação, o movimento do consumidor é similar, o que muda é que a inflação afeta de forma mais forte as classes baixas.
Mudança estratégica
Atento a esta tendência, e com o objetivo de manter vendas e aumentar o fluxo de clientes nas lojas, a Cooperativa de Consumo (Coop) já se movimenta. "Temos adotado promoções semanais para hortifrúti e carnes, alguns produtos têm desconto de 20% a 25%", diz o gerente comercial da Coop, Luiz Gustavo Maldi Ramos.
O executivo explica ainda que a empresa preza pela fidelidade, e alguns cooperados têm ofertas que vão a 30%.
Como resultado da ação, cita Ramos, em dias de promoção o fluxo de clientes nas lojas, cresce em torno de 12%. O executivo também comenta que apostar em volume de vendas é uma outra estratégia da varejista para garantir faturamento e melhorar as condições de negociação com os fornecedores.
Outras estratégias da Coop são a maior atenção aos itens de marca mais baratas, variedade de produtos e itens de marca própria.
No entanto, apesar do consumidor estar mais atento ao preço dos produtos, o gerente destaca que o avanço de marcas próprias não foi tão significativo nos últimos meses. "Tivemos um aumento de 5% a 10% nesta linha, temos um público que ainda é fiel a marca."
Fiel, mas nem tanto
Para o diretor do canal vertical e professor da Fundação Getulio Vargas, Roberto Kanter, com a alta dos preços, e em tempos de crise, o consumidor deixa de ser extremamente fiel a marcas. "Quando o cliente percebe o aumento de um determinado produto ou marca, ele troca por algo equivalente."
No entanto, Kanter chama a atenção para a importância das embalagens, e a comunicação do ponto de venda.
Para ele, não adianta apenas oferecer preço, a marca precisa estar atenta, a percepção de qualidade do consumidor, que esta atrelada ao preço. "Os produtos muito mais baratos que a marca líder despertam desconfiança no consumidor."
De acordo com o coordenador do Núcleo de Negócios do Varejo da ESPM, Ricardo Pastore, com a queda de alimentação fora do lar, apontada pelo DCI em outra edição, os supermercados também deveriam investir na venda de produtos de maior valor agregado, como vinhos, molhos e até espaços com refeições. "Os supermercados poderiam oferecer lanches e refeições", destaca Kanter. De acordo com o especialista, os empresários também devem apostar em outra área importante, a de a comida pronta. Segundo ele, o consumidor acaba comprando pela conveniência.
DCI
Produtos relacionados
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2019 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP