quinta-feira, 26 de janeiro, 2017

Indústria de alimentos para pets vê migração para produtos mais baratos

São Paulo - O ano de 2017 deve ser bem parecido com o último para os fabricantes de alimentos para pequenos animais, os chamados pets. A retração econômica no País também pressionou o segmento, que notou uma migração da demanda para produtos mais baratos.
Segundo o presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), José Edson Galvão de França, o brasileiro, que manteve as compras de ração para os pets, optou por produtos de baixo custo devido à falta de renda disponível em meio ao enfraquecimento da economia interna. "O volume produzido de ração cresceu, mas houve uma troca para produtos mais baratos", diz.
A fabricação de alimentos (pet food) somou 2,59 milhões de toneladas no ano passado, alta de 2,5% ante 2015. O segmento corresponde a 67% do faturamento do mercado pet total, que deve ter alcançado R$ 19 bilhões no último ano. A cifra representa acréscimo de 5,7% sobre 2015. "Mas muito desse crescimento é reflexo da inflação no período", avalia.
O gerente de marketing da Special Dog, Fernando Manfrin, observou que a relação custo/benefício nunca foi tão procurada como no último ano. "Esse movimento foi positivo para a Special Dog, pois entregamos ao mercado um produto de qualidade a um preço altamente competitivo".
Ele conta que a companhia esperava uma expansão maior do que realmente ocorreu - em função do bom desempenho de 2015. Sem comentar o desempenho anual, Manfrin revelou que nos últimos cinco anos a empresa, instalada no interior de São Paulo, teve crescimento de 180% em capacidade produtiva.
Na visão do presidente da Abinpet, o mercado brasileiro ainda tem grande potencial de expansão, apesar da crise que assola o País. "Alguns gargalos ainda vão persistir em 2017, entretanto, no médio e longo prazo a perspectiva é de expansão já que muitas pessoas ainda alimentam os animais de estimação com comida para humanos", comenta ele. França estima que o setor encerrou 2016 com uma capacidade ociosa de 40%, principalmente por conta da demanda menor em relação ao passado.
De acordo com um levantamento da associação, com base em dados do IBGE, o Brasil tem mais de 132 milhões de animais de estimação. "Existe um potencial para aproximadamente 7,35 milhões de toneladas de alimentos para pets, mas produzimos perto de 34% desse volume", calcula França.
Essa aposta levou gigantes do setor a investir no Brasil. A Nestlé Purina, por exemplo, vai inaugurar, na próxima semana, a segunda fábrica em Ribeirão Preto (SP). De acordo com a assessoria de imprensa, a nova unidade vai fabricar alimentos úmidos para cães e gatos. A planta será a primeira da Nestlé Purina na América Latina e deve atender à região.
A Mars, dona de marcas como Pedigree, Royal Canin e Whiskas, também prevê uma inauguração este ano, em Ponta Grossa (PR) - a quarta da Mars no Brasil. A empresa tem plantas em Recife (PE), Mogi Mirim e Descalvado (SP).
Já a Special Dog abriu uma linha nova em Santa Cruz do Rio Pardo (SP) no ano passado, ampliou a atuação em São Paulo e Minas Gerais e entrou em Santa Catarina e Rio de Janeiro. Em 2017, a empresa avançará por Goiás.
Impostos
"O grande desafio é conseguir crescer em uma economia que não dá sinais de melhora a curto prazo, além de enfrentar a altíssima carga tributária que, hoje, é praticamente 50% do valor do produto", acrescenta Fernando Manfrin.
Por conta disso, a Abinpet vem debatendo junto ao governo uma mudança na classificação tributária do setor, que é enquadrado na categoria de supérfluo, como cigarro e sorvete. "Encomendamos um estudo amplo que foi apresentado aos técnicos do governo, com o objetivo de comprovar que reduzindo a carga tributária poderemos produzir mais e automaticamente elevar a arrecadação", revela França.
Segundo ele, atualmente o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) das rações é de 10%. "Sobre a mostarda, por exemplo, incide só 3%", comenta o dirigente, destacando que esse é o maior gargalo da indústria atualmente.
DCI - 26/01/2017
Produtos relacionados
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2019 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP