sexta-feira, 14 de setembro, 2018

Vendas no varejo recuam muito mais que o esperado em julho, diz IBGE

Rio de Janeiro/ São Paulo – As vendas no varejo do Brasil caíram inesperadamente em julho eregistraram o pior resultado para o mês em dois anos pressionadas principalmente por móveis e eletrodomésticos, enfatizando a cautela e incertezas dos consumidores em meio ao cenário de atividade econômica mais fraca. As vendas varejistas caíram 0,5 por cento em julho sobre junho, terceiro resultado negativo seguido, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. Essa foi a leitura mais fraca para julho desde a queda de 0,9 por cento das vendas em 2016 e contrariou as expectativas em pesquisa da Reuters de alta de 0,3 por cento. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, as vendas tiveram queda de 1,0 por cento, também o pior julho desde 2016 (-5,6 por cento) e interrompendo 15 resultados positivos seguidos, com projeção de avanço de 1,2 por cento. Em meio ao cenário de atividade econômica lenta e desemprego ainda alto, embora a inflação no Brasil permaneça em níveis baixos, o setor varejista viu em julho queda no volume de vendas em cinco das oito atividades pesquisadas sobre o mês anterior. “O mercado de trabalho continua complicado, o ambiente eleitoral também é marcado por incertezas e tudo isso faz com que o consumidor fique conservador e cauteloso, especialmente nos bens que pode adiar e evitar”, explicou a gerente da pesquisa, Isabella Nunes. Os destaques negativos ficaram para as perdas de 4,8 por cento em Móveis e eletrodomésticos, de 2,5 por cento de Outros artigos de uso pessoal e doméstico e de 1,0 por cento em Tecidos, vestuário e calçados. Segundo o IBGE, esses setoresjuntos pesam 30 por cento do total do varejo. “Móveis e eletrodomésticos e Outros foram as principais âncoras devido ao bom desempenho em junho com a promoção de vendas de TVs em razão da Copa do Mundo”, completou Isabella. Na outra ponta, as vendas de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com importante peso sobre o bolso do consumidor, aumentaram 1,7 por cento em julho. As vendas no varejo ampliado, que inclui veículos e material de construção, encolheram 0,4 por cento em julho na comparação com o mês anterior, pressionado principalmente pelas perdas de 2,7 por cento de Materiais de construção.
Exame - 13/09/2018
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP